Uncategorized

Quando é que se deixa de dar a mão ao pai?

Recentemente, em conversa com o meu pai, falamos sobre este assunto. Há uma nota a fazer antes de começar, quando eu era criança eu, o meu pai e a minha irmã passamos por uma situação que deixou marcas. Infelizmente a minha mãe deixou este mundo cedo demais e ficamos os três, a santíssima trindade como orgulhosamente nos chamamos.

Talvez por este motivo, ou também por este, crescemos numa realidade diferente. Diferente porque foi especialmente cheia de amor, não só da família direta mas dos tios, dos primos, da avó. Protegeram-nos ao máximo amando-nos e mostrando de uma forma muito afetiva o amor e a sorte que nós tínhamos por nos termos uns aos outros.

Vários hábitos ficaram desta altura. O dizer amo-te sem medo e sem esperar por dias especiais, o abraçar até que as costas estalem, o estarmos sempre agarrados uns aos outros, a preocupação que temos diariamente em perceber se estamos todos bem.

Um destes hábitos nunca se perdeu: dar a mão. Começou em pequena obviamente mas nunca desapareceu. Aos 35 anos eu ainda adoro estar deitada no sofá de mão dada com o meu pai, passear na rua de mão dada. Tenho um orgulho imenso nele e ele em mim (em nós!). Passamos de uma relação de cuidador pai filha para uma relação de igual para igual, sempre de mão dada. Daqui a muitos anos a relação de cuidador naturalmente se irá inverter e eu continuarei a dar-lhe a mão. Seja porque quero ou porque o passo começa a não ser tão certo.

E quero que a mão dele possa aquecer a minha durante mais 50 anos (no mínimo!).

Nunca tenham medo de dizer às pessoas que vos rodeiam que as amam. Não é que gostam delas, é que as amam mesmo! Não tenham medo dos olhares de lado, de parecer que casaram com o vosso pai (ou mãe)! Não tenham medo de dar um abraço apertado, de chorar ou adormecer no colo dos vossos progenitores, seja qual for a idade que tenham.

Uncategorized

O Dia V

Sonhei meses com este dia. Analisei estatísticas diariamente, fiz várias previsões de quando seria, chateei todos a minha volta para marcarem o quanto antes. Vivi os dias Vs dos outros como se fossem o meu, senti-me cada vez mais protegida porque todos estavam a ter os seus dias Vs.

Para mim o dia V chegou hoje! Do nada, antes do nosso grupo etário ser chamado, o J e eu recebemos um SMS para marcarmos. Conseguimos uma vaga para dali a 14 horas e hoje tomamos a vacina. Juntos, um dia histórico para os dois ❤️.

Não houve uma pessoa com quem falasse hoje a quem não dissesse que tinha sido vacinada, os amigos e a família provavelmente já não me podem ouvir mas hoje é o início do fim para nós. O fim do medo constante, o fim das viagens que deixamos por fazer, o fim da reclusão. A cada pessoa vacinada o mundo aproxima-se mais do fim deste período tão negro.

Quando chegar a vossa vez de serem vacinados não hesitem. Não tenham medo da ciência, não acreditem em teorias da conspiração. Marquem, vão, não dói nada!

Nota: a minha segunda vacina será apenas no final de julho ou início de agosto e só aí termina o processo.

Uncategorized

Regresso as viagens

A semana passada Inglaterra (nao o Reino Unido!) passou a mais uma fase de desconfinamento podendo assim comecar a pensar em viajar um pouco mais pelo pais. Para ja so em regime de Airbnb e semelhantes, a partir de 17 de Maio, se os numeros continuarem animadores, em hoteis.

Para ja temos dois fins de semana marcados mas gostava de ouvir as vossas sugestoes, cantos escondidos, vilas amorosas… Ja visitamos bastante o pais mas nao nos importamos de repetir!

Mandem entao as vossas sugestoes para viagens em Inglaterra e no pais de Gales!

Uncategorized

Viajar full time

Aí está uma ótima pergunta! Na área em que trabalho não é incomum encontrar pessoas que trabalham remotamente e aproveitam para viajar a full time. Existem várias pessoas que falam sobre isso mesmo, como por exemplo a Joland. E várias pessoas já me perguntaram isso mesmo por saberem a paixão que tenho em viajar.

Na verdade, e a verdade choca algumas pessoas, nunca foi algo que sonhei. É verdade que há uns anos equacionei tirar uma licença de 3 meses para viajar (a minha empresa tem essa possibilidade) mas o trabalho do J. ficou mais complexo e pusemos essa ideia na gaveta.

As razões pelas quais viajar full time nunca nos atraiu assim tanto são bem simples: carreira e rotina. Nós amamos o que fazemos e não queremos abandonar as nossas carreiras. E também adoramos a rotina de casa, é ela que nos traz ainda mais valor a depois sair dela e aproveitar os momentos de férias.

E depois existe a parte mais prática. Gostamos de estar perto da família (o reino unido é perto de Portugal, ok?), gostamos do contacto com os amigos, gostamos de ter animais domésticos, gostamos muito da nossa casa. E tudo isto se complica se passarmos muito tempo fora da rotina habitual.

Se quando andamos em períodos com mais viagens os amigos e a família começa a pedir um pouco mais de atenção, como seria se virassemos viajantes a full time?

Uncategorized

Barcelona Dia 4 – 10/11/09

No último dia passamos pelo Museu da Xocolata para comprar umas lembranças e fomos até à zona de Pedralbes. Aí visitamos os jardins do Palau de Pedralbes, Finca guël, Jardins de la Villa Cecilia e Parc de Villa Amelia (não tem nada de especial esta zona). Demos um salto até ao museu de cera e fomos depois até à Barceloneta, apanhamos o teleférico até Miramar (Mont Juic) que também não merece o bilhete.

Para visitar o Montjuic aconselho que apanhem o teleférico pois é muito tempo a subir. Lá em cima o que vale mesmo a pena é a vista uma vez que o Castelo não tem nada de especial.

Descemos até à Praça de Espanha e demos um salto ao Museu Nacional de Arte.

Custos deste dia:

Museu de Cera: 9 €
Teleférico Barceloneta até Miramar: 9 €
Teleférico Montjuïc até à base do monte: 6 €
Museu Nacional de Arte da Catalunya: 8,5 €

Uma vez que o voo era muito cedo passamos o inicio da noite no terminal de autocarro e o resto no aeroporto.

Uncategorized

Barcelona Dia 3 – 9/11/09

Como estou mesmo a ver que não vou ter paciência para descever a viagem toda ao pormenor vou deixar aqui um resumo com fotos.

Na segunda feira vimos de manhã a Sagrada Família (aconselho muito que comprem um audioguia), depois fomos ao Parc Guël, La Pedrera (não vale a pena entrar, basta a parte de fora), Casa Batló e descer até à Plaza Catalunya.
Os custos de cada um destes locais foi:
Sagrada Família: 9 € + 4€ audioguia (disponível em português)
Parc Guël: GratuitoLa Pedrera: 6€Casa Batló/Casa Millá: 13.2 € (inlcui audioguia não disponível em português)Jantares e almoços ficaram em 30 e poucos euros (15 almoço + 15 jantar)

Pormenor interior Sagrada Família – Bosque

Parc Guëll

La Pedrera

VLUU L210 / Samsung L210

Casa Batló

Uncategorized

Um ano de quarentena

Fez agora por estes dias um ano que a vida deu uma volta de 180 graus. Que todos os planos julgavamos terem sido escrito em pedra afinal estavam numa folha de rascunho que foi amarfanhada e atirada ao lixo sem dó nem piedade.

Os nossos direitos mais básicos foram-nos arrancados. A escolha de produtos nos supermercados, sair de casa quando querermos, viajarmos até qualquer parte do mundo, abraçar pessoas. Mas restou-nos o maior direito que nunca tínhamos sequer notado estar ali, o direito à segurança de ficar em casa para evitar apanhar um vírus.

Todos nós achamos que ia ser rápido. Um mês em casa e resolve-se! Uma gripezinha destas não vai abalar o mundo, claro que não! Depois achamos que 2021 ia ser O ANO. Mas parece que 2021 não recebeu a circular e nós por casa continuamos. Este deve ser já o 6278584 período de confinamento que vivemos. Passamos a semana ansiosamente à espera do fim de semana e o fim de semana à espera da semana. Os dias são todos iguais sem nada que os distinga. Não há eventos marcados para podermos ter alguma expectativa de normalidade.

Como se diz pelo reino unido “aos nossos pais pediram-lhes que fossem às guerra, a nós só nos pedem para estarmos quietos em casa.”. Força humanidade, estamos juntos!

Uncategorized

Barcelona Dia 2 – 8/11/09

(nao se esquecam, estou a fazer o rescaldo de posts antigos encontrados no antigo blog!)

O domingo foi reservado para ver alguns locais perto do local onde ficamos.

Optamos por começar pelo Museu de la Xocolata que é uma visita simpática e optima para comprar gifts (de chocolate obviamente…) O bilhete base é 4,3 euros.

De seguida fomos ao Palau Musica Catalana onde infelizmente não se pode tirar fotos. O preço da visita é 11 euros com guia em inglês, castelhano e catalão.

Deixo algumas fotos para perceberem o quão fantástico é.

Como tinhamos algum tempo entre a compra do bilhete e a visita aproveitamos para dar uma volta pela Via Laietana e pelo Mercat Santa Caterina.

Da parte da tarde visitamos a Catedral de Barcelona (nota: não é a Sagrada família) que sinceramente acho que não vale a pena visitar e cujo bilhete foram 5 euros.

Depois fomos até à Praça da Catalunya e descemos as Ramblas (cuidado aqui com os roubos).

Aproveitamos para dar uma volta no Passeig de Colom a caminho do Museu Picasso (que é grátis ao domingo depois das 15h.

A noite foi num restaurante na zona das Ramblas, o Restaurante La Fonda/ que apesar da fila (nada comparavel ao Les Quinze nits na Plaça Reial) tinha uma paella fantástica.

Deixo um aviso: ao domingo as grandes cadeias (El Corte Ingles, Inditex, H&M, etc não estão abertas)

Seguem algumas informações sobre horários e preços deste dia resumidas:

Museu de la Xocolata

Site oficial: http://www.pastisseria.com/en/PortadaMuseu
Localização: Carrer del Comerç, 36 – perto do arco do triunfo
Horário: Segunda a Domingo das 10h às 19h e ao domingo das 10h às 15h.
Preço: Bilhete Individual: 4,30 €; existem descontos)

Palau de la Musica Catalana

Site oficial: http://www.palaumusica.org
Localização: Carrer Sant Pere Més Alt, s/n
Horário: Diariamente das 10h às 15h30.
Preço: 12 euros: individual; 11 euros: estudantes

Catedral de Barcelona

Site oficial: http://www.catedralbcn.org
Localização: Avinguda de la Catedral – perto do Palau da Musica Catalana
Horário: 13 às 17h
Preço: 5 euros (inclui museu e claustros)

Museu Picasso

Site oficial: http://www.museupicasso.bcn.es/
Localização: Carrer de Montcada 15-23 (perto do arco do triunfo)
Horário: Teça a Domingo das 10h às 20h
Preço: grátis domingo depois das 15h, senão 9 euros

Uncategorized

Barcelona Dia 1 – 7/11/2009 (nao e’ engano, e’ mesmo 2009!)

Em tempos idos este blog estava alojado noutro dominio. Nao sei porque lembrei-me disso recentemente e fui la espreita-lo para ver se ainda estava ativo. E nao e’ que estava? E encontrei alguns (MUITO POUCOS) posts sobre viagens que resolvi ressuscitar!

Assim sendo, ao longo das proximas 4 semanas irei publicar textos de 2009 sobre os dias que passamos em Barcelona!

Queria fazer uma estimativa de preços mas é complicado… Vou tentar fazer um roteiro rigoroso com preços e tudo mas se falhar alguma coisa peço desculpa.

Como vivo em Coimbra posso deslocar-me de 3 maneiras para o Porto: Comboio + metro/taxi, carro do pai, carro da Joana + metro.

Para Madrid e Londres optei por pedir ao meu pai para me levar, o que implica que na volta tenha de apanhar um comboio. Não é uma solução perfeita por isso desta vez levei o meu carro. Deixei no Porto, num local que devido ao meu trabalho, facilmente tive autorização para aceder ao espaço fora do horário de funcionamento, tinha vigilância e as pessoas sabiam que se houvesse algum problema facilmente poderiam contactar-me. Como esse local fica perto de uma estação de metro fizemos o percurso de metro até ao aeroporto.

São cerca de 40 minutos e o preço foi 1,95/viagem porque não tinha nenhum andante (cartão do metro do Porto).

Quando chegamos a Girona (A Ryanair não voa directamente para Barcelona) apanhamos o autocarro que é muito fácil encontrar e cujos horários estão adaptados às partidas e chegadas. O bilhete custa 12 euros para cada lado ou 21 ida e volta (aconselho a comprar deste modo).

Podem encontrar mais informações aqui

Uma vez que o alojamento escolhido era muito perto da estacion del nord e como a bagagem não era pesada (tratavam-se de duas mochilas) aproveitamos para dar uma volta nas redondezas: Arco do triunf, l’auditrio e Teatro Nacional da Catalunya.

O alojamento reservamos no Booking. Pagamos 50€/noite, quarto duplo sem peq almoço, mas as instalações eram fantásticas.

Trata-se de uma residência para estudantes. Mais informações aqui. Tem cozinha partilhada que dá jeito para quem tem paciência para cozinhar em férias (não é para mim….)