Viagens

Cotswolds – O que visitar

Tres dias dao uma boa ideia geral das Cotswolds. Como em tudo nunca esperem ver TODOS os pontos num tao curto espaco de tempo mas nao era o nosso objetivo.

Aqui fica um resumo dos pontos que visitamos

  • Torre de Broadway – Sempre que pesquisar sobre as Cotswolds vai ver uma foto desta torre. Nos optamos por fazer um hiking que incluia passar na torre logo no primeiro dia.

2020-07-10 15.56.12

  • Arlington Row em Bibury – uma rua bem fofinha com as casas tipicas das Cotswolds. Para a encontrar e’ super facil, basta seguir os turistas todos

20200711_181525

  • Bourton-on-the-Water
  • Stow-on-the-Wold

2020-07-11 17.04.34-1_2020-07-11 17.04.40-1_0000

  • Gloucester
    • The Docks
    • Catedral de Gloucester

2020-07-12 11.44.32_2

Viagens

Como conseguir uns descontos extra nas suas viagens

Bem sei que muitos de nos nao estao a viajar mas um dia voltarao certamente e espero que em breve pelo que queria deixar aqui algumas dicas resumidas. Ja falei sobre elas com bastante detalhe noutros posts mas entretanto encontrei novas formas de poupar que queria partilhar por aqui:

  • Em sites como o Hoppa em vez de marcar logo peca para lhe enviarem um email com o orcamento. Existe a possibilidade de lhe enviarem depois um desconto

Capture

Capture2

  • Pesquise pelo nome da marca e coupon code ou promotional code
  • Pesquise pelo nome do seu hotel no google, o google mostra o preco em varios sites de reservas

Capture3

  • Use sites como o Quidco e o Top Cashback. Ja consegui poupar centenas de euros nest tipo de sites!
  • Quando alugar carro pesquise por agregadores de preco e em varios agregadores. Nos normalmente usamos o autoeurope e o rentalcars mas tambem ja reservamos atraves do kayka por exemplo
  • Quando reservar voo veja se nao compensa comprar atraves de um terceiro site em vez das companhias aereas. Mas atencao compre APENAS em sites conhecidos para nao ser enganado

Capture4

 

Mais alguma sugestao?

Viagens

Cotswolds – Hiking

Se ha coisa que o Reino Unido e’ conhecido e’ pelo hiking. Nao ha nenhum ingles que eu conheca que nao pratice, mais ou menos assiduamente esta modalidade. Se por um lado e’ pelo exercicio, por outro porque te permite estar em contacto mais proximo com a natureza.

Quando comecei a pesquisar sobre as Cotswolds percebi que existia um dos caminhos mais conhecidos de hiking do pais, o Cotswolds Way. Assim, decidimos logo que iriamos fazer algumas caminhadas. Infelizmente nao pudemos fazer tantas como gostariamos apenas porque eu tive um problema de costas. No entanto aqui ficam algumas dicas:

  • Se estiver de carro pode escolher uma trilha circular. Embora estas nao sejam tao comuns assim e’ possivel e assim nao tem de se preocupar em encontrar alternativas
  • Dependendo do trajeto va mais ou menos preparada. No nosso caso todos os caminhos que fizemos foram de 2/3 horas e ficavam perto de vilas pelo que decidimos apenas levar agua e comida
  • Vai atravessar muitos portoes. No Reino Unido existe uma coisa que se chama o direito de passagem. Assim, todos os terrenos agricolas tem de ter uma forma de as pessoas poderem atravessa-los se assim o desejarem. As principais dicas em relacao a isto sao ter cuidado para nao estragar plantacoes e deixar SEMPRE os portoes fechados

No nosso caso escolhemos 3 caminhos circulares e que pudessem ser feitos no maximo em 3 horas. O nosso preferido foi o “Broadway and the Tower” pois passava no principal monumento desta zona, a torre Broadway.

O meu sitio preferido para encontrar trilhas e’ o site National Trails.

Dia a Dia

O que fazer depois do trabalho?

Há dois anos a vida profissional do J. mudou bastante. Muitas noites a chegar depois de jantar, alguns dias fora e a chegar nos outros dias perto do jantar. Como eu trabalho perto de nossa casa e o meu trabalho é mais certinho em termos de horas passado uns meses comecei a sentir-me sozinha. A maioria dos meus amigos têm filhos e não alinham em programas durante a semana, e os que não têm filhos têm a vida deles. E dei por mim, uma mulher na casa dos 30 sem saber bem como ocupar o tempo. Não sou rapariga de ginásio, não gosto de ficar dias a fio em casa sozinha e senti que estava a ficar deprimida. Ainda ficava uns dias no trabalho até tarde mas ficava sozinha o que era exatamente o que eu não queria.

Assim sendo e ao longo do último ano descobri imensas atividades diferentes que me ocupam os meus finais de tarde:

1) aulas de grupo – embora odeie ir ao ginásio adoro aulas de grupo. Arranjei uma instrutora tão fantástica que até tenho pena se não for.

2) aulas de costura – sempre gostei de bordar e quando vi estas aulas pensei que era o ideal para mim. Infelizmente são no mesmo dia da aula de grupo e acabei por desistir

3) clube do livro – a livraria mais perto do meu trabalho tem um clube do livro que se reúne uma vez por mês. Adoro e obriga-nos a ler regularmente, para além de que nos deixa fora da nossa zona de conforto ler livros que não foram escolhidos por nós

4) aulas de fotografia – fiz este curso num college perto de nós. Amei e tive pena de não continuar, talvez volte!

5) aulas de inglês – fiz este curso mal cheguei ao reino unido. Existem uns cursos financiados pelo estado muito bons. Basta pesquisarem por ESOL

6) cursos de línguas – japonês, alemão, italiano, chinês, árabe, são quase infinitas as escolhas. Normalmente não são muito caros, cerca de £200 por período

7) aulas de piano – em 2020 cumpri um sonho antigo e inscrevi-me em aulas de piano! Nunca é tarde para aprender!

E sem contar passei de uma semana sem nada para uma semana super ocupada! Amo estas atividades que vou rodando consoante o que me apetece fazer naquela altura!

Dia a Dia

“Para sempre é até quando?”

Recentemente soube de uma tragédia que mudou completamente a vida de alguém com quem privei na faculdade. Alguém que apenas mantive o contacto através do mundo das redes sociais.

Esta tragédia tocou-me de uma forma mais profunda do que esta pessoa pode imaginar. O J. não estava comigo e o meu coração só acalmou quando chegou perto de mim, 48 horas depois. Quando fazemos promessas para sempre imaginamo-nos a envelhecer bem juntos. Mas por vezes o para sempre é mais curto do que pensamos. E isso fez-me refletir, concluindo que na verdade, o que interessa de facto na nossa vida é tão pouco. Num ano tão difícil para todos uns navegam num cruzeiro e outros numa jangada de pau, mas acima de tudo o que importa é com quem percorremos esta tempestade.

Por isso, num daqueles dias bem cinzentos pense bem se vale a pena dizer aquela palavra mais torta ou se mais vale olhar bem no fundo dos olhos dos outros e perceber o quão importante aquela pessoa é para nós. Naqueles momentos que pensa que tudo está perdido, dê a mão à sua cara metade e perceba quão sortudos somos por nos termos uns aos outros. Está na altura de largar os ecrãs e olharmos mais uns para os outros. Comprar flores só porque sim, dar um abraço e um elogio, dizer aos outros que os amamos.

Porque nenhum de nós sabe até quando é para sempre!

Viagens

Cotswolds – algumas dicas

Recomeçaram as viagens, yeahh!

No início de julho o governo britânico reabriu devagarinho a possibilidade de turismo interno. Nós decidimos fazer um fim de semana prolongado. Os únicos critérios eram que fosse uma zona do reino unido que nunca tivéssemos visitado e que não tivéssemos de viajar mais do que umas duas a três horas. Foi assim que dá decisão caiu em visitar as Cotswolds.

Para quem não sabe as Cotswolds são uma região sudoeste do Reino Unido. A cerca de umas duas horas do centro de Londres está região situada entre Bath e Gloucester e alberga paisagens naturais únicas, vilarejos do mais típico que podem imaginar e tem possibilidade de hiking quase ilimitadas. A Costwolds Way é uma das caminhadas mais conhecidas do país e é conhecida pelas suas vistas lindas!

Desta vez não fiz o registo dos custos (Shame on me!) mas posso deixar algumas dicas para ajudar a programar uma visita a esta zona:

– escolham uma base no centro da regiao para dormir. Embora a região seja extensa no máximo numa hora estão em qualquer ponta das Cotswolds se escolherem um alojamento na zona centro. No nosso caso ficamos em Stroud

– as melhores alturas para visitar são provavelmente julho e agosto uma vez que os campos de lavanda estão abertos a visitantes.

– há zonas que têm muitos turistas, o que arrepia muito em termos de Covid hoje em dia

– se optarem por fazer hiking (que recomendo muito!) sugiro que escolham algum que passe por um monumento histórico para terem um objetivo concreto e aproveitarem o tempo

– 3 dias são suficientes para conhecerem a zona, 4 se quiserem aproveitar para conhecer Bath. Isto para o caso de quererem fazer com calma, se não tiverem muito tempo da para concentrar em dois dias, basta não fazerem caminhadas 🙂

– a zona não é muito cara comparada com outras zona do reino unido, como Londres, a Cornualha ou mesmo o norte de Inglaterra. Uma refeição em média ficou-nos por cerca de £20, o apartamento onde ficamos custou cerca de £100 por noite.

 

 

Uncategorized

(mais) 10 perguntas ou afirmações parvas sobre viagens

Depois da primeira edição está na altura de trazer uma segunda! Quem não gosta de se meter na vida alheia que atire a primeira pedra e nós recebemos constantes afirmações e perguntas muito parvas!

1) Mas vocês nunca se cansam?

Claro que cansamos mas descansar é (normalmente) em casa. Há viagens que nos custam muito mas mesmo assim não deixamos de ir.

2) Mas há alguma coisa interessante para ver no sítio X?

Quando saímos do circuito turístico foi das perguntas que mais começaram a fazer. E há sempre algo interessante. Quando não há monumentos há história, há tours, há comida. Lembro-me de TODAS as viagens que fiz! Temos noção que não há catedral de Notre dame em todo o lado mas sem problemas!

3) Vocês devem ganhar um fortuna para viajarem tanto…

Nestas alturas normalmente faço um olhar à matador. Quanto ganhamos é connosco mas posso dizer que somos ambos trabalhadores qualificados. Mas em todas as casas, e a nossa não é exceção, o dinheiro não estica e há cedências. Na minha família quem tem um carro velho sou eu. Não fumo, raramente bebo, compramos uma casa com a qual nos sentíamos confortáveis pagar. E já quando vivia em Portugal, com um salário bem humilde já viajava… Quanto pagamos pelas viagens está aqui no blog, nada escondo.

4) Agora com o Covid vais parar de viajar…

Não, não vamos mudar. Vamos ficar pelo continente europeu porque queremos passar o menos tempo possível dentro de aviões este ano mas ninguém me pára em 2021!

5) Com tanta viagem de certeza que já se esqueceram de alguma!

Não, nós somos mega organizados. Pastas no Dropbox, tudo agendado no calendário, nada falha! A única coisa que falhou foi mesmo uma vez um teatro porque marque no mês errado!

6) Vocês não podem trabalhar a full time com essas viagens todas??

Sim, e mais do que as horas contratadas. Simplesmente trabalhamos os dois em empresas bem generosas no que diz respeito ao número de férias oferecidas e aproveitamos tudo o que é feriado, fim de semana prolongado, trabalhar de casa, etc.

7) Não sentes saudades de casa?

Raramente! Nós amamos a nossa casa, temos investido bastante e torná-la o mais confortável possível para nós, mas gostamos que seja apenas a nossa base para podermos viajar. A única coisa que custa é deixar a gata mas ela adora a cat sitter por isso não é muito mau.

8) Então mas fazes férias fora de Portugal? 

Normalmente esta é feita por pessoas que não conhecem o nosso estilo de vida.

Desde que fizemos a nossa primeira viagem a Portugal desde que saímos do país que percebemos que é horrível passar lá muito tempo. Passamos o tempo todo a correr para no final as pessoas nos cobrarem que não passamos tempo suficiente com eles… A última vez que lá passamos uma semana tive uma dor no peito tão grande que pensei que tinha de ir ao hospital. Era apenas ansiedade. Assim preferimos ir menos tempo, ser tudo a correr mas ir mais vezes. Se as pessoas quiserem passar mais tempo connosco podem vir ter connosco ou fazemos uma viagem juntos, agora passar muito tempo em Portugal não dá. Já nos perguntaram porque não mentimos e não fizemos que estamos lá, não somos desses, lamento! Odiamos jogos de escondidas e sentimento de culpa.

9) Vocês passam demasiado tempo sozinhos porque estão sempre a viajar!

Do meu círculo de amigos a que está sempre a combinar coisas sou eu. A que está sempre do outro lado do telefone sou eu. A que está sempre pronta para ajudar sou eu. E muitas vezes viajamos juntos… Com os primos do J., com amigos…

10) Não sentem culpa porque passam férias em Portugal?

Esta é fácil: sentimos ZERO culpa! No início a família estranhou, como assim emigrantes que não passam férias em Portugal? Mas perceberam rapidamente que quando estamos lá estamos 100% para eles e que para fazer férias a sério vamos para outro lado.

Dia a Dia

Como me consigo organizar sendo tão distraída?

Desde miúda que me lembro de a minha mãe dizer que eu vivia com a cabeça na lua. Quando entrava numa loja de louças a minha mãe entrava em pânico que eu ia derrubar coisas. Lembro-me que houve uma altura que em vez de lápis normal usei um preto porque tive vergonha de dizer que tinha perdido o quinquagésimo lápis nesse ano. Casacos perdidos não têm conta, compromissos com amigos, contas atrasadas, emails por responder.

No entanto esta distração não se nota tanto hoje em dia… Tudo porque arranjei métodos que me ajudam. Continuo a viver no mundo da lua, a minha vida ainda é um caos, mas é um caos organizado!

– Calendário do Google – TODOS os meus compromissos pessoais estão lá. Marquei lanche com uma amiga? Está lá. Marquei uma viagem? Está lá. Um amigo vem visitar-nos? Está no calendário. Tenho um compromisso de trabalho fora do horário normal? Está lá! Até às aulas semanais (piano, pilates, insanity, está tudo lá). Eu e o J. temos também um calendário partilhado que fica integrado ao meu onde colocamos eventos que vamos os dois ou que o outro precisa de saber (jantares de trabalho, etc).

Screenshot_20200125-181716_Calendar~2
– Anexos dos eventos – para além de colocar os eventos no Google anexo imensos documentos que me vão dar jeito. Vou ver uma peça de teatro? Adiciono os bilhetes e a reserva para o parque de estacionamento
– Dropbox – é aqui que coloco todos os documentos importantes e onde armazeno todas as informações relevantes para viagens, trabalho, casa, etc

Screenshot_20200125-181830_Dropbox~2
– Emails – no meu e-mail pessoal se ainda não lidei com e-mail deixo-o por ler
– Contas – mal chegam pago logo ou coloco por débito direto. É mais simples se lidar logo com o assunto porque a probabilidade de me esquecer é menor
– Listas – para tudo! Que posts vou fazer sobre determinado assunto, o que temos para fazer relacionado com a nossa vida privada, coisas a fazer para as viagens, compras, eu sei lá!

Screenshot_20200125-181734_Keep Notes~2
– Alarmes – se tiver de tomar alguma medicação ponho alarme. Se não já sei que vai dar coco… Se precisar de ligar a alguém ponho um alarme, estão a ver a ideia?
– Não abrir mensagens – se sei que não vou poder responder a determinada mensagem não a abro. Se for no WhatsApp ainda melhor porque posso ver o que está escrito sem retirar a notificação.
– Digitalizar os documentos – peço para tudo me ser enviado por e-mail e se for em papel normalmente o J. digitaliza (eu sou péssima a lembrar-me de fazer essas coisas)
– Imprimir – bem sei que é contraditório em relação ao que disse antes mas sinto que se imprimir algo é mais fácil para ver se falta algo
– Fazer uma coisa de uma só vez e sem interrupções – na verdade tenho de melhorar esta mas a intenção está ca. Faça a mala de uma vez só, sente-se a escrever a resposta a um e-mail. Ponha os phones para se concentrar e evitar distrações. O J. tem a mania (IRRITANTE) de me fazer perguntas quando estou a fazer algo que precisa de concentração. Explico uma vez que estou a tratar de uma coisa, se interrompe novamente explico calmamente (não tão calmamente como da primeira vez) que não quero ser interrompida, se continua eu deixo de responder… Se não fizer isto já sei que vai correr mal porque me vou distrair.
– Rotinas – estabeleça uma rotina matinal e mantenha-se fiel. É a única maneira que tenho de não me esquecer de nada num período do dia que estou mais distraída.
– Trate dos assuntos por temas – se está a tratar do gato então trate logo da comida, da água, da areia. Se estiver a tratar da casa faça uma divisão de cada vez, sem saltar.

Obviamente que falho muitas vezes. Ainda recentemente quando chegamos a Albânia nenhum de nós tinha feito download do mapa da Albânia e tínhamos de chegar ao centro da cidade de carro. Foi mais complexo mas conseguimos. As vezes esquecemo-nos de fazer reservas para coisas de viagens, as vezes acabam coisas lá em casa, mas imaginem que não tinha estes sistemas?

Uncategorized

Como é que tudo começou?

Nunca viajei muito até ser bem crescida. É verdade que havia as férias de verão em Quiaios ou no Algarve mas a verdade é que a minha família nunca viajou assim tanto quando éramos miúdas. No entanto lembro-me de o meu pai viajar pela Europa algumas vezes e ficava doida com os relatos. A primeira viagem que me recordo de ele fazer foi Sevilha em 92 com a minha irmã. Quando eu tinha uns 8 anos foi até Londres com 4 amigos num Fiat Uno! Anos mais tarde acompanhou um amigo que ia dar um concerto em Paris! E outras viagens se seguiram…

Muitos anos mais tarde fui desafiada para ir a Londres. Nunca tinha ouvido falar em low costs, não fazia ideia de como se marcava um bilhete de avião, precisei de uma mala de porão para 5 dias, levei o mundo comigo!! Mas algo ficou dessa viagem, senti que estava a ver o mundo pela primeira vez. Eu que nasci numa vila pequena, senti que aquela viagem me mudou. E se mudou!! Nesse ano ainda visitei Madrid e Barcelona, no ano seguinte Paris e Maiorca mas a primeira vez que senti que podia viajar muito por pouco dinheiro foi quando fizemos o interrail! Lembro-me que odiei a ideia, tentei convencer o J. a não irmos, a fazermos uma viagem semelhante de avião. Como estava enganada! Agora mal posso esperar por fazer outra viagem destas com o meu sobrinho quando ele fizer 18 anos (e se ele quiser, obviamente!).

E por aí, qual foi a viagem que vos fez ficar viciados em viagens?

Uncategorized

E agora os objetivos?

Dá para ver por aqui que sou uma menina de números. Conto países, voos anuais, noites dormidas fora de casa, gastos das viagens entre muito mais coisas. Quando há uns anos estabeleci o objectivo de conhecer 30 países antes de completar 30 anos percebi que precisava de outros objetivos depois. Pouco tempo depois decidi que o objetivo seguinte seria visitar todos os países da Europa até completar 40 anos e secretamente comecei a pensar num objetivo MUITO mais ambicioso: 100 países até aos 40. Era puxado, mas possível.

O objetivo de conhecer todos países da Europa ainda continua no horizonte uma vez que só faltam 8 países e ainda faltam 6 anos até lá chegar. Mas os 100 antes dos 40 começam a ser uma miragem… Não desisto ainda, mas começa a ser mais complexo uma vez que nos falta tão pouco na Europa, onde é tão fácil apanhar voos para qualquer ponta do continente num fim de semana.

Ah, antes que pensem que apenas viajo pelos números deixo desde já o aviso que não é verdade… Embora faça muitas viagens de fim de semana tenham a certeza que não andamos a ver marcos históricos só para por no Instagram. Simplesmente, como já expliquei aqui, as viagens são para mim fontes de energia. São aí que me sinto em plenitude, em paz, e no meu auje criativo.

No entanto não é o momento de ser egoísta. Não é o momento de voltar ao que era, pelo menos para já. Na verdade que se danem os objetivos, se há número que não quero ser é um dos infectados pelo Covid19!