Viagens

Deslocar-se no Cayo Coco

Toda a gente sabe que não consigo ficar quieta muito tempo. Quando disse aos amigos e a família que ia para passar uma semana num resort cujo objetivo era não ter internet, ler e descansar riram-se! Houve ate quem me mandasse mensagens no Whatsapp so para ver se era verdade que nao tinha internet!

E a verdade e’ que me fartei rápido. Gosto de descansar sim senhor, mas nao de nao fazer muito. E como tal rapidamente percebi que tinha de adicionar algumas atividades e ir visitar melhor a ilha.

A melhor forma de visitar a ilha e’ alugar um carro, ir de taxi ou usar o autocarro turistico. Nos, claro, optamos pela ultima opcao.

2019-01-18 09.19.37.jpg

Este autocarro liga todos os hotéis no Cayo Coco e Guillermo aos principais polos de atração das ilhas: mercados e praias! As grandes desvantagens deste transporte são o facto de terem horários escassos e de acabarem cedo.

O autocarro custa 5 CUC por um bilhete com retorno e e’ importante perceber os horários.

Achei a tabela dos horários mega confusa e nem os funcionários do hotel sabiam explicar bem mas aqui vai. Tenham em atenção que esta explicação e’ feita com base no hotel onde ficamos (Pestana)

20190119_124220

Embora a imagem indique que existem varios tipos de circuitos a verdade e’ que so encontramos dois sentidos: em direção a Praia Pilar e em direção ao Hotel Colonial. E embora na imagem digam que o bilhete diário custasse 5 CUC na verdade os funcionários ficavam com ele quando apanhavamos uma segunda vez.

Depois em relação aos horários. Embora nao fossem 100% certinhos a verdade e’ que não se atrasaram mais de 10 minutos.

A parte complicada foi perceber como os horários funcionam. Na imagem podem ver duas colunas com horários. Uma e’ para ir para a Praia Pilar e a outra na direção oposta. O problema e’ lembrar-se qual e’ uma vez que não existe nenhuma indicação para além de uma seta e nao me recordo o que e’ que para qual o sentido (tenho a sensação que não estava relacionada com o mapa…).

 

 

Viagens

Medo de voar

Hesitei durante meses sobre se devia ou não escrever sobre este assunto. Comecei vezes sem conta este post, guardei nos rascunhos, apaguei, recomecei.

A verdade é que odeio voar. Sim, parece mentira tendo em conta que por exemplo na semana voei quatro vezes. No início não havia problema. Entrava num avião e era como se nada fosse. Mas um voo com muita turbulência na aterragem deixo-me petrificada. E foi a partir dai. Jamais deixei de voar por causa deste medo mas ao contrário do que normalmente se faz de confrontar as pessoas com o medo, isso não resulta comigo.

Isto ainda piora porque o meu medo não é da aterragem nem da descolagem, considerados momentos críticos do voo. O meu medo é a turbulência. E sim, eu sei que não há problema com a turbulência mas não consigo controlar.

Já tentei de tudo mas não consigo controlar. Se a turbulência for grande chego a gemer baixinho. Agarro-me ao banco, agarro a mão do J se ele estiver comigo no voo e fecho os olhos.

Para tornar o meu caso ainda mais estúpido eu sou daquelas que adormece mal se senta no avião. Sim, antes de descolar já me estou a babar na cadeira. E se relaxo tão facilmente porque é que morro assim tanto de medo noutras alturas do voo?

Hoje tive o pior voo desde que me lembro. A turbulência foi tão ma que a criança a minha frente vomitou e arruinou o meu casaco (que discretamente deixei no avião e informei a tripulação). E o medo regressou….

Alguém me falou num livro que e suposto ajudar as pessoas a superar este medo. Já encomendei e se for bom recomendo aqui.

Há por aqui alguém com este medo?

Viagens

Aspire Lounge Aeroporto de Luton

Tal como disse aqui a rede de lounges da Aspire estão entre os meus preferidos. E (in) felizmente tenho também feito bastantes visitas ao de Luton. Digo infelizmente porque normalmente isto significa que o meu voo atrasou. No início de Fevereiro, exatamente dois dias depois de visitar o lounge do terminal 5 sobre o qual escrevi aqui voltei ao de Luton depois de muita neve que atrapalhou os planos de viagem.

Comecemos então pela localização. Este lounge está super escondido e a primeira vez que o visitei precisei de várias indicações até o encontrar. A entrada fica do lado oposto à JD sports, perto do quiosque da Krispy Creams.

 

Primeira dica: mesmo que diga que está cheio tentem na mesma. Desta vez encontramos este aviso que ignoramos e não tivemos problema nenhum em entrar.

Segunda dica, que já é uma repetição: se estiverem a pensar em usar várias vezes lounges adquiram um Priority Pass. Escrevi sobre isso aqui.

O lounge tem uma vista para a área comercial do aeroporto. Acredito que a maioria das pessoas não gostem mas eu gosto de observar as pessoas a passarem, adivinharem onde vão, quem são, o que fazem…

Junto à entrada podem encontrar a habitual secção de revistas e jornais gratuitos.

Na zona central do lounge podem encontrar a zona de comida e o bar. Fomos a meio da tarde (4/5 da tarde) e havia dois pratos quentes (uma massa e um arroz), sopa e salada. Muito mais pobre do que o aspire do terminal 5 de Heathrow mas mesmo assim aceitável. Também encontrei scones, pão, queijos, manteiga, doce e fiambre. Nada que me fizesse o estômago bater palminhas mas o suficiente para me manter alimentada durante umas horinhas porque o voo chegou tarde.

O

O bar tem a habitual seleção de bebidas brancas, licores e vinhos.

A zona das bebidas quentes está separada mas é facilmente encontrada.

A volta da zona de comida existem muitos sofás para descansar e imensas tomadas para carregar os seus gadgets. Não tirei muitas fotos das zonas de descanso porque estava muita gente.

A minha zona preferida é a das cápsulas. Este compartimento conta com três “camas” que estão numa zona super sossegada e onde pode dormir um pouco. Não é uma funcionalidade muito comum de encontrar e gosto imenso!

Também tem cacifos onde pode guardar a sua bagagem, em vez de a arrastar consigo e impedir a passagem dos outros passageiros nos corredores

Não é o meu lounge preferido, longe disso mas sem dúvida que dá para descansar um pouco antes de voar, especialmente tendo em conta que estamos a falar de um aeroporto predominante low cost.

Uncategorized

Viajar nos países bálticos – Letónia e Lituânia

Viajamos para os países bálticos em 2016. Primeiro fizemos em maio a Letónia (Riga) e depois a Lituânia (Vilnius). Tanto estas duas capitais como Tallin na Estónia (que fizemos em agosto do mesmo ano) precisam apenas de um dia para ver o essencial na parte histórica.

No caso da Letónia e da Lituânia aproveitamos um dos feriados de Maio e em três dias visitamos estes dois países. Claro que ninguém consegue conhecer profundamente um país em tão pouco tempo mas tendo em conta que queríamos apenas conhecer as capitais foi mais do que suficiente.

Voamos de Stansted para Riga no sábado de manhã (a um horário proibitivo – 6:30!!) mas por causa da diferença horária e do voo longo (para padrões europeus) perdemos a manhã toda. Passamos a tarde de sábado e a manhã de domingo a visitar uma ensolarada Riga que adorámos! Aproveitamos para fazer um tour gratuito que foi dos melhores que já fizemos no mundo!

No domingo de tarde apanhamos um autocarro (Lux express – 10€ por pessoa) para Vilnius que nos deixou mesmo no centro da cidade! Os bilhetes podem ser marcados com antecedencia no site. Depois basta apenas imprimir o bilhete, trazer consigo e mostrar ao motorista.

Os autocarros sao super confortaveis e ate incluem Wifi gratuito e entretenimento a bordo. Como estes dois paises pertencem a Uniao Europeia nao existem sequer barreiras ou paragens na fronteira pelo que a nao ser que esteja atento nem sequer ira reparar quando passou de um pais para o outro.

lux-exp-1024x660.jpg

Esta empresa nao faz apenas os paises balticos, cobre imensos destinos em paises fronteiricos, como a Russia, Finlandia e Polonia por exemplo.

Na segunda passamos o dia a visitar Vilnius (que adorámos tanto ou mais do que Riga) e no final do dia voamos de volta para Londres.

lux_express_special.jpg
Fotografia retirada daqui.