Chernobyl

E este é o post mais aguardado (por mim, claro!). Já há muitos anos que queria ir a Chernobyl. No entanto o medo do desconhecido sempre me puxou para trás. No entanto depois de ler relatos de várias pessoas que foram e de ver o documentário sobre o novo dome que foi concluído em Dezembro de 2017 pensamos que estava na hora.

As visitas a Chernobyl são altamente controladas e têm de ser feitas com empresas autorizadas. Não pode deixar para marcar quando lá chegar porque a.empresa tem de registar com o governo quem vai na visita e isso requer algum tempo. Não faço ideia de quanto tempo mas fizemos a nossa reserva com 3 meses de antecedência e não tivemos problema nenhum.

No nosso caso o ponto de encontro foi noutro hotel e fomos apenas 4 pessoas na visita, o que foi fantástico. A nossa guia falava um inglês perfeito pelo que conseguimos aprender imenso. A visita consiste em visitar vários pontos da Central de Chernobyl, edifícios de apoio à Central, a cidade abandonada de Pripyat.

É aconselhado não levar nada valioso porque existem vários controlos de radiação à saída e qualquer peça que contenha vestígios de radiação terá de ficar lá.

Maternidade — foi para isto que viemos ao mundo?

Embora a temática deste blog vá ser principalmente sobre viagens este canto é também um espaço pessoal pelo que outras temáticas por vezes surgirão aqui.

Desde há uns anos para cá que percebi que a “normalidade” é algo que não ocorre muito na minha vida. Isso reflete-se nas minhas escolhas pessoais, entre as quais o facto de não ter filhos. Sou uma mulher casada, feliz, com emprego super estável, uma casa demasiado grande para nós e uma vida que está perfeita para receber um novo ser. No entanto isso não aconteceu nem irá acontecer dentro de pouco tempo. Tenho imensos sobrinhos (de sangue e coração), tenho fotos deles na minha secretária, mas zero vontade de ter filhos. Sou inquirida (quase intimada) a explicar-me constantemente, sou acusada de ser egoísta, não pensar no futuro, entre outras coisas bonitas. Quando as pessoas me perguntam sinceramente não tenho uma resposta bonita, floreada, filosófica sobre a razão e, acima de tudo, sinto que não tenho de ter…

Não querendo fugir ao tópico apenas quero pedir uma coisa ás pessoas: parem! Escolhas como estas são extremamente pessoais! Não fazem ideia se existe algum problema e não conseguem engravidar! Não sabem se a pessoa vive em conflito com a sua própria decisão (eu! eu! eu!). Ter um filho é acima de tudo uma decisão pessoal, que NINGUÉM tem direito de cobrar! Nem pais, avós, irmãos, amigos, NINGUÉM!

Também não achem que pessoas como eu vos vão excluir do círculo de amigos. Pelo contrário, adoro seguir as gravidezes das minhas amigas, mimo os meus sobrinhos imenso e peço constantemente fotografias. Provavelmente vai ser em pessoas como eu e outras amigas sem filhos que vão encontrar o ombro de apoio que necessitam em alturas complicadas, que não vão encontrar palpites que não foram pedidos porque nós temos tempo para vos ouvir e sinceramente estamos interessadas! Se vamos sentir falta do tempo em que voces tinham toda a disponibilidade do mundo para nos ouvir? Certamente, mas vocês também vão ter saudades disso…

Termino sugerindo que aproveitem os vossos amigos, familiares sem filhos. Normalmente eles não se importam de tomar conta dos vossos filhos para vocês item jantar, passar um fim de semana fora, umas férias a dois! Eu neste momento estou a tomar conta dos meus dois sobrinhos (os de sangue) durante 5 dias e estou a amar!! E não, lamento mas não mudou a minha opinião sobre querer ter filhos, mas estou a ter dias fantásticos!

(Post escrito enquanto espero pela consulta de ginecologia em que estou rodeada de grávidas, quadros de crianças, estátuas de grávidas e mesmo em frente à maternidade, para nos lembrar, pobres hereges, o motivo pelo qual nós mulheres, vimos ao mundo… — ler com sarcasmo)

20180415_122351.jpg

(Fotografia tirada durante esta viagem com os meus sobrinhos — os de sangue)

Ucrania – Mais comida

Para nos a comida não costuma ter uma importância tao grande nas viagens, mas desta vês foi algo muito importante.  Kiev reúne em si restaurantes que cumprem os 3 principais requisitos: BBB (bom, bonito e barato!).

Aqui vão algumas recomendações de alguns dos restaurantes que frequentamos e quanto pagamos em media. Spoiler alert: todas as refeições foram mega baratas

  • Katyusha – uma rede de restaurantes espalhado pela cidade toda com uma decoração anos 80 giríssima, horários alargados (alguns deles abertos 24 horas por dia). Media de preco por refeição: 7~10 libras para os dois.

Site: http://katysha.com.ua/

2018-03-30 13.48.55_2018-03-30 13.49.04_0001.jpg2018-03-31 20.02.22.jpg

1

  • O’Panas – construído a volta de uma arvore e localizado no meio de um parque este restaurante é um pouco mais caro do que o Katiusha mas o menu também é um pouco mais elaborado. Foi aqui que comemos uma sopa fantástica de cogumelos e o melhor strudel da minha vida! A’ noite tem musica ao vivo e reserva é aconselhada uma vez que estava cheiíssimo! Media de preco por refeição: 20~30 libras para os dois.

Site: http://www.opanas.com.ua/en/

Morada: Tereshchenkivs’ka St, 10, Kyiv, Ucrânia, 01004

Motherland e o Museu da Segunda Guerra Mundial

No dia em que visitamos a Motherland estava mesmo mau tempo, pelo que decidimos não ir ao cimo da estatua que, segundo ouvimos, tem uma vista fantástica sobre a cidade.

2018-03-30 16.55.34

No entanto na base da estatua existe uma exposição sobre o a historia da Ucrânia na segunda guerra mundial super interessante (pelas imagens, uma vez que o texto esta todo em Ucraniano, com exceção de uns posters no inicio de cada sala.

Horário:

Segunda a Sexta: 10:00 ate as 18:00 (bilheteira fecha as 17h)

Sabado: 10:00 ate as 19:00

Entrada paga

Website: http://www.warmuseum.kiev.ua

Kyiv-Pechersk – sede da Igreja Ortodoxa

Muita gente não sabe, mas a sede da igreja ortodoxa é em Kiev. Um bocadinho aquilo que o Vaticano representa para os católicos. O mosteiro Kiev-Petchersk é o mosteiro mais antigo da Ucrânia e a sua existência remova ao seculo XI. Em 1990 foi declarado património da humanidade pela Unesco (assim como a catedral de Santa Sofia). Este mosteiro embora não fiquei muito perto do resto dos pontos a visitar, mas não deve ficar jamais fora do seu roteiro. Esta zona tem uma área mais alta e uma mais baixa. Não se esqueça de ir a parte mais baixa pois é aí que encontra as grutas.

2018-03-30 15.03.20.jpg

É aqui que vemos em todo o esplendor as igrejas ortodoxas. E o que eu amo igrejas ortodoxas! Desafio qualquer um a encontrar uma parede que não tenha uma pintura, um detalhe. E a fé das pessoas é algo que me transcende e que deve ser vivenciado por todos. Não se admirem de terem alguma pessoa a reclamar por terem as pernas cruzadas ou outro motivo que nunca irão perceber (eles insistem em reclamar convosco em Ucraniano embora seja claro que não percebamos nada…). Faz parte, abracem a experiencia. Eu dei por mim a cobrir o cabelo apesar de nunca o ter feito numa igreja católica. Percebi que se sentiam mais confortáveis se o fizesse e embora não seja obrigatório por respeito, fi-lo.

Os principais edifícios no complexo a visitar são:

– Grande Torre Lavra

– Catedral Dormition

– Refeitório

– Grutas – a visita a’ gruta é toda feita a luz das velas, super giro!

 

Informações:

Horário: 9:00 – 19:00, Apr-Sep, 9:00-18:00 Oct-Mar, Caves 8:30-16.30

Entrada paga

Website: http://www.warmuseum.kiev.ua

Morada: Lavrska St, 15, Kyiv, Ucrânia, 01015

 

O que comer na Ucrania

Por norma sou uma esquisitinha para comer. Para contar todos os alimentos que não gosto precisariam de 4 mãos e 5 pés e mesmo assim tenho a certeza que sobravam coisas…

No entanto a Ucrania surpreendeu-nos muito. Talvez porque tenha visto muitos vídeos do Samuel e da Audrey e ter ficado com muita curiosidade (aqui, aqui e aqui por exemplo) comemos durante toda a estadia apenas em restaurantes locais.

Dos pratos que experimentamos os que preferi foram:

  • Dumplings – de carne, de peixe ou de legumes, foram todos maravilhosos. Podem encontrar fritos ou cozidos a vapor, são todos OPTIMOS!

2018-03-30 14.15.24-1.jpg

  • Panquecas de Batata – esquisito e oleoso mas bem gostooooosooooo!

2018-03-31 21.16.04.jpg

  • Borscht – Sopa tradicional da Ucrania

2018-03-30 19.13.39.jpg

  • Chicken Kiev

2018-03-30 14.15.34-1.jpg

  • Sopa de cogumelos em pão – Ainda me estou a babar!

2018-03-30 19.13.55-1.jpg

  • Strudel – eu sei que e’ estranho, mas foi optimo!!

2018-03-30 20.37.37.jpg

  • Panquecas – neste caso com nozes e mel

2018-03-30 20.40.05.jpg

  • Um pao com queijo e ovo dentrooooooo2018-03-31 20.44.11.jpg

 

Como ir do aeroporto de Kiev para o centro da cidade

Tentamos ao máximo nas nossas viagens utilizar os meios de transportes locais. Evitamos táxis e transfers e mesmo num país cujo alfabeto não e’ o mesmo, não foi exceção. Embora existam outras opções a que decidimos foi pelo Skybus, um autocarro que vai do aeroporto (terminal D, embora também exista no terminal B) e o centro de Kiev. Quando sair do terminal vera alguns autocarros e numa das colunas estará identificada a paragem destes autocarros. Poderá confundir um pouco porque alguns dos autocarros não dizem skybus mas sim 322 mas não se preocupe, se tiver duvidas pergunte aos outros passageiros (foi o que fizemos). A mala terá de ser colocada na bagageira e basta ocupar um lugar livre. Não se preocupe com o bilhete, o condutor ira recolher o dinheiro antes da viagem começar. O bilhete custa 100 Ukrainian grivnas (cerca de £2.7) por pessoa e não e’ possível comprar logo com retorno. O autocarro deixá-lo-á no estacão central de comboios de Kiev (Pivdenny Station). Se pretende da paragem do autocarro ate ao metro (Volkzana) terá de entrar no estacão de comboios e percorre-la toda (mesmo toda!) ate ao fim, saindo mesmo do edifício. Quando sair do edifício da estacão basta olhar para o seu lado esquerdo e vera o símbolo do metro.

Para regressar ao aeroporto basta apenas ir ate ao mesmo ponto onde saiu e apanhar dai o mesmo autocarro.

Existe outra paragem na cidade mas não só não é tao central como também existe o risco de não ter lugar e ter de ir em pe.

Ucrânia — Custos

A Ucrânia foi provavelmente o país mais barato para onde já viajei. E gosto de ser sincera com quem lê estes posts e falar abertamente de custos. Eu viajo com um budget restrito. Não que coloque um número na cabeça mas no estilo de viagens que faço tento ao máximo não gastar muito se acho que o benefício que vou ter da experiência não compensa. Não durmo em hostels há uns aninhos (já lá vai o tempo) mas não fixo por norma em hotéis de 4/5 estrelas (salvo rarissimas e justificadas exceções. Aqui vão os custos totais de uma viagem de 4 dias, no feriado da pascoa, por duas pessoas:

Voo: £75 pp = £150

Parque estacionamento aeroporto: £21.5

Hotel: £140 (3 noites + early check in no primeiro dia)

Visita Chernobyl: £70 pp = £140

Transportes: £6.5 pp = £13

Comida (incluindo supermercado): £43 pp = £86

Entradas em sítios turísticos: £7.08 pp = £14.18

Souvenir: £2.7

TOTAL: £567.38

2018-03-31 17.07.16.jpg

E porque a Ucrania?

A este tipo de perguntas idiotas eu normalmente respondo “E porque não?”. Excluir um pais sem sequer se ter dado ao trabalho de pesquisar sequer um pouco é só parvoíce…

Kiev tem tudo para ser uma cidade bonita! Dezenas de igrejas, inclusive a sede da igreja ortodoxa (um bocadinho como o vaticano para os católicos). E se as igrejas católicas são bonitas, as ortodoxas não ficam nada atras. Todo o interior é super detalhado, o cheiro a incenso la dentro, o fervor religioso que vemos em todos os fieis é algo do outro mundo!

E depois há a comida, para mim SUPER importante! Frango a’ Kiev nasceu ali mesmo! E já vi sopas de cogumelos em pão, panquecas de batata, restaurantes construídos a volta de uma arvore, enfim, o meu estomago já esta a bater palminhas!

E por fim tem Chernobyl. Tendo nascido um mês depois do desastre nuclear sempre me lembro de ouvir a historia de Chernobyl como algo remoto, que aconteceu num país longínquo. Ter a oportunidade de ver com os meus olhos é algo fantástico! É perfeitamente seguro, segundo o que li a exposição a radiação é a mesma que se tem num voo de longa duração e nunca ouvi ninguém dizer a outra pessoa para não fazer um voo de 8 horas porque vai ter muita exposição a radiação…

Se vou ver muitos animais abandonados? Tenho a certeza que sim! Muita pobreza? Aposto que a cada esquina. Mas não é por não ir a estes países que a pobreza vai desaparecer… Pelo contrario, ao ir la deixo la dinheiro que pode ser reinvestido na economia.

Por isso não digam não antes de pesquisarem. Não critiquem quem decide escolher estes destinos mais estranhos ou exóticos. Os motivos que estão por trás de pessoas escolherem estes paises podem ser muito pessoais…

Voo mais barato Vs Voo mais caro

Sei que parece de loucos este post mas achei engraçado fazer esta comparação.

Por norma sou não sou esquisita com a companhia aérea que utilizo para viajar. Costumo dizer que a minha lealdade é para com o preço.

Assim, faz sentido falar da viagem mais barata que já marquei. Então e quanto foi a pechincha? Nada mais nada menos do que 24 euros em outubro de 2009, comprei com 3 meses de antecedência (imenso tempo para os meus padrões da altura). Barato, não é? Pois, mas foram 24 euros para duas pessoas, com regresso! Isso mesmo, SEIS EUROS POR VOO!!

Capture

E sabem o mais engraçado? Não fomos! Por motivos de trabalho tive de cancelar a viagem!

E o voo mais caro, conseguem adivinhar? Pois a mais cara não foi Nova York, Sri Lanka ou mesmo o Japão. O voo mais caro que já comprei custou 488 libras e foi para Israel. Foi comprado com menos de 2 semanas de antecedência e como iria aproveitar uma viagem de trabalho da minha cara metade tive de marcar para os voos que ele já ia fazer, ou seja: zero flexibilidade. Esta viagem também teve uma particularidade engraçada, a’ ultima da hora a empresa cancelou dele e eu acabei por ir sozinha!

Capture1

Como vêm flexibilidade e antecedência é chave para poupar na altura de comprar os voos! Ah, e se encontrarem um preço altamente não hesitem, não vai estar la dois dias a vossa espera!